Proença-a-Nova entre os cinco primeiros lugares na Qualidade Local de Governação

O Município de Proença-a-Nova está entre os cinco primeiros municípios com melhor qualidade de governação, no estudo “Qualidade da Governação Local em Portugal”, elaborado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. “É na certeza que tenho de incluirmos nesta instituição talento e capacidade profissional diferenciadora que, sem qualquer intervenção externa e de forma imparcial, recolhemos a avaliação agora divulgada”, afirma o presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova, João Lobo.

Este estudo analisa várias variáveis, entre elas, a voz dos cidadãos e prestação de contas, estabilidade política, Estado de Direito e prevenção da corrupção, eficácia governamental, acesso e regulação de mercado, cuja metodologia assentou em inquéritos feitos à população que avaliaram a perceção que os cidadãos têm dos serviços públicos, avaliação direta da administração local e estatísticas relativas aos serviços prestados, eficácia ou produtividade.

Na dimensão “a voz dos cidadãos e prestação de contas” (que analisa as varáveis de participação ativa dos cidadãos nas reuniões da assembleia municipal; Influência dos cidadãos nas escolhas orçamentais dos governos; Capacidade dos munícipes e oposição em escrutinar os eleitos; Transparência das contas municipais e Transparência financeira), o Município de Proença-a-Nova aparece na segunda posição, sendo o único do distrito de Castelo Branco a figurar no top 25. 

Na dimensão “Estabilidade Política” (que inclui as variáveis Taxa de participação em escrutínios eleitorais; Composição do governo local; Capacidade do governo local em gerar consenso político e Políticas de longo prazo) Proença-a-Nova ocupa o sexto lugar, um lugar atrás de Belmonte e à frente de Vila Velha de Ródão, que aparece em 24º lugar.

Na dimensão “Estado de Direito e Prevenção da Corrupção” (prazo médio para pagamentos de serviços, material e equipamento, Preferência por métodos contratuais transparentes, Qualidade dos contratos públicos municipais, Queixas dos munícipes relativas ao município e às suas entidades) encontramo-nos na 11ª posição.

“Sendo motivo de orgulho para os proencenses, estou certo, o caminho faz-se caminhando e somente juntos poderemos construir o futuro do nosso concelho”, conclui João Lobo.

2018-12-04