Maestro Carlos Gama homenageado pelo Município e pelo Grupo Coral de Proença-a-Nova

O Município e o Grupo Coral de Proença-a-Nova juntaram-se para homenagear o Maestro Carlos Gama pelos 37 anos de ligação como diretor artístico àquele que é considerado o maior embaixador cultural do concelho, numa cerimónia pública realizada no dia 23 de outubro no auditório municipal: “O Município de Proença-a-Nova reconhece publicamente o Maestro Carlos Gama pelo papel de relevante importância na qualidade que já realizam os 37 anos de ligação ao Grupo Coral de Proença-a-Nova”, lê-se no diploma que acompanhou o brasão do concelho, entregues pelo presidente da Câmara Municipal, João Lobo, e pelo vice-presidente, João Manso. Na sua intervenção, o presidente da autarquia destacou “a condição enérgica de olhar sempre para a frente” do maestro: “Para mostrar a vitalidade que o maestro tem, ele que já fez 50 anos de carreira, ainda há tempos veio bater-nos à porta com partituras de composições e harmonizações dele para não se perder muito da música popular da Beira Baixa, num conceito mais transversal à nossa região”, referiu João Lobo.

A poucas semanas de eleger uma nova direção, o autarca referiu estar confiante que haverá responsáveis para dar continuidade ao projeto do Grupo Coral. “Não há sociedade desenvolvida no mundo que não tenha esse pilar fundamental que é a cultura, associada àquilo que é a aculturação de cada um de nós enquanto cidadãos”. O ainda presidente da direção, Francisco Grácio, destacou os 44 anos de uma “história riquíssima em acontecimentos e boas recordações e, sobretudo, de levar a nossa cultura, através do canto e da música coral, a inúmeras localidades do concelho, da região, do país e a tantos países do mundo”.

Vários desses marcos foram recordados durante a apresentação do livro “40 anos a (en)cantar” em que contribuíram com as suas histórias Daniel Catarino, Francisco Grácio e Cândida Santos, com moderação de Isabel Gaspar, quatro dos mais de 200 coralistas que passaram pelo grupo desde a sua fundação, em 1977. António Gil Dias partilhou ainda uma ode festiva em que faz a viagem pelo percurso de vida do Maestro, terminando com o seguinte verso: “Se a alma pelos gestos é que fala | sempre com muita música à mistura | Sigam desenhando os seus ágeis braços | Arsis e tesis, ritmando a escala | Agora cada vez com mais ternura | Longa vida, lisos gestos, largos traços Maestro”.

O grupo Coral interpretou seis músicas, entre as quais o hino de Proença-a-Nova (com letra de Acúrcio Castanheira e música de Carlos Gama) e uma com letra e música da autoria de João Gama, filho do maestro, e harmonização de Carlos Gama. No início da cerimónia, Ana Sofia Ventura (voz) e Rita Pires (piano) – ambas ligadas ao Grupo Coral – interpretaram músicas típicas da Beira Baixa.

Fotografias da cerimónia disponível na página do Facebook do Município

2021-10-26