Ambiente e Espaços Verdes
 

 

 

 O Jardim e a horta ao longo do ano

 Incompatibilidade entre plantas

 A praga das palmeiras

 

Embora o concelho seja caracterizado por território de floresta de pinho, constituindo a região a maior mancha de pinhal da península ibérica, nada o demite da criação de espaços verdes secundários na sua malha urbana, até porque não é propriamente à floresta que uma família se desloca para passear ou as crianças para brincar.

Os espaços verdes da estrutura verde secundária permitem um usufruto diferente dos espaços da estrutura verde primária e por isso se constroem espaços de enquadramento, jardins e parques no espaço urbano das suas vilas e aldeias, privilegiando desde pequenos recantos a áreas de maiores dimensões.

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

 

Espaços Verdes

Os espaços verdes são áreas de extrema importância, não só ao nível da integração das zonas urbanas, mas também como um reduto que nos transporta a sentimentos de bem-estar. Com o estatuto de Estruturas Verdes, estes dividem-se em:

  • Primária - que envolve o espaço urbano 
  • Secundária - dentro do espaço urbano

Qualquer uma destas estruturas tem como função básica o verde de proteção, de enquadramento, de fruição e/ou de produção. As árvores e todo o material vegetal devem envolver e/ou integrar o tecido urbano de forma equilibrada no sentido de poder desenvolver o seu papel quer como elemento de enquadramento, quer na ativação biológica, na regularização microclimática, na purificação do ar, no refúgio de aves, quer, em suma, na preservação da biodiversidade local.

 

Vilas e Aldeias

A União das Freguesias de Proença-a-Nova e Peral é a que mais espaços verdes apresenta, nomeadamente na sede. Aqui foi criado um corredor verde correspondente à zona da ribeira de Sta Margarida. Encontram-se a formar este corredor verde a arborização das ruas e os pequenos espaços tratados ao longo do principal eixo viário que atravessa a vila até ao Jardim de Sta Margarida, o ribeiro de Sta Margarida e o Parque Urbano. Está já projetada a continuação desta estrutura verde na continuação do Parque Urbano para oeste (ao longo do Ribeiro de Sta Margarida), terminando no bairro novo.

Na vila de Sobreira Formosa a recente requalificação urbana veio trazer mais espaços plantados, aguardando pelo Jardim Público, cujo projeto se encontra já concluído.

A aldeia de Montes da Senhora possui vários pequenos espaços paisagisticamente tratados ao longo do principal eixo viário, culminando no Largo da Igreja Matriz.

A aldeia de S. Pedro do Esteval recebeu recentemente um espaço verde público com jardim, piscina, parque infantil e parque de merendas. Para a restante aldeia está também prevista a requalificação do Largo da Igreja.

A aldeia de Peral possui alguns espaços ajardinados, estando também projetada uma grande área de jardim junto ao Centro de Dia.

Quanto à aldeia de Alvito da Beira, salvo o espaço das praias fluviais de Alvito e Cerejeira, os restantes espaços são pequenos apontamentos de enquadramento. Encontra-se em fase de projeto o tratamento de uma área junto à Casa do Povo.

 

As Árvores

As árvores são elementos imprescindíveis na estrutura urbana de uma cidade, vila ou aldeia, ocupando funções de enquadramento, de amenização climática, de produção e/ou fruição. Quando se parte para a escolha de uma árvore dever-se-á atender a vários fatores - desde o local a plantar (orientação solar, tipo de solo, condicionantes – presença/ausência de construções, infraestruturas…), à própria árvore.

A árvore é, pois, um ser vivo que deve ser utilizado com profundo conhecimento da sua fisionomia e do local onde se pretende plantá-la, para que a sua integração num determinado espaço resulte em pleno – árvore certa no lugar certo.

 Árvores da nossa terra

 

Nunca é demais lembrar a estreita relação Homem-Natureza e a importância que esta tem na sustentabilidade das sociedades e dos ecossistemas. As plantas são seres vivos, com um tempo de crescimento próprio e individualizado, sujeito a fatores internos e externos (seja por condições edafo-climáticas, seja por atos de vandalismo), pelo que todos devemos contribuir para as preservar e valorizar. No concelho de Proença-a-Nova existem algumas árvores classificadas como Monumento Vivo de Interesse Público D.R, II Série, n.º 154 de 6 de julho de 1995.