“O sucesso dos alunos é fator de atratividade do território”

O programa de combate ao insucesso escolar foi o tema central da Receção aos Professores, realizada no dia 8 de novembro, no Hotel Rural da Catraia. O enfoque na educação é um dos pilares centrais do Município de Proença-a-Nova que, na opinião do presidente, João Lobo, “o sucesso dos alunos é fator de atratividade do território, quer na transmissão de conhecimentos, quer na qualidade de vida que advirá posteriormente” e é graças “aos nossos professores que o Agrupamento de Escolas mantém as taxas de transição/conclusão dos cursos de educação e formação e cursos profissionais elevadas, acima dos valores nacionais, superior a 90%, o desafio é chegar aos 100%”, cabendo à autarquia promover a relação entre as duas instituições. O diretor do Agrupamento de Escolas, João Paulo Cunha, reconheceu o trabalho que tem vindo a ser feito pela Câmara Municipal, reforçando que “a escola não pode ser um sistema fechado, tem de ter em conta a realidade que a rodeia e esta relação com a autarquia permite abrir a escola à sociedade e mobilizar outros recursos que de outra forma não era possível”.

O Plano Integrado e Inovador de Combate ao Insucesso Escolar, criado no contexto da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa, foi apresentado pelo Vice-presidente do Município, João Manso, e será aplicado nos próximos dois anos letivos. O objetivo é a redução e prevenção do abandono escolar precoce e promoção da igualdade de acesso a um ensino infantil, primário e secundário de boa qualidade, incluindo percursos de aprendizagem formais, não formais e informais para a reintegração do ensino na formação. João Manso explicou que para atingir estas metas será criada uma equipa multidisciplinar integrada (EMI) constituída por técnicos com formações identificadas como basilares para a correta implementação desta estratégia integrada, cuja contratação está a cargo de cada autarquia que integra a CIMBB, mas que a agenda de trabalho é articulada com os agrupamentos respetivos. Estas equipas terão a responsabilidade de acompanhar e avaliar e, em alguns casos, implementar e gerir as atividades previstas.

Entre atividades que serão desenvolvidas está a formação parental, que inclui ações, individuais ou em grupo, sobre saúde, a alimentação, cibersegurança, sexualidade, comunicação parental, riscos comportamentais, ações de lazer em família e a possibilidade de realização de rastreios auditivos e visuais; a criação de um gabinete de aconselhamento profissional, de um laboratório de aprendizagem colaborativa, realização de oficinas e conceção de ferramentas de apoio ao ensino de conteúdos na área das ciências e matemática. Inserido neste programa estão também a preparação de atividades em várias áreas científicas (ciências, história, matemática, geografia) a funcionar como complemento às metodologias de ensino e aprendizagem em contexto de sala de aula. Fora das salas de aula e em contexto real, a construção de projetos pedagógico-didáticos, que poderão envolver visitas de estudo nos municípios da região da Beira Baixa, workshops científicos, ateliês, métodos de aprendizagem através da observação do local, visitas a empresas com foco nos alunos de faixas etárias mais elevadas para que fiquem a conhecer a realidade empresarial da região e as suas oportunidades de carreira.

Os objetivos deste programa só serão cumpridos se se concretizarem pelo menos 80 % das ações, reduzindo a percentagem de alunos com notas negativas em 10% e a diminuindo em 25% a taxa de retenção. “Com este programa existem condições para fazer um bom trabalho, mas que exigirá de nós, Município, Escola e Associação de Pais, trabalho, empenho e dedicação”, rematou o vice-presidente. 

2017-11-13