A arte como fator de atratividade turística para o concelho

Uma das estratégias do Município de Proença-a-Nova é a arte como fator de atratividade para o concelho, uma aposta que tem crescido desde 2011, com a primeira residência artística, resultado do protocolo com a Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

“Além daquilo que a arte representa, o nosso objetivo é que a nossa sede de concelho seja mais atrativa para quem nos visita e para os residentes que seja uma forma de elevar a autoestima”, afirmou João Lobo, durante o Roteiro das Artes, realizado a 21 de outubro.

A iniciativa Roteiro das Artes arrancou com a inauguração de um projeto de reabilitação urbana assinado pela artista Yola Vale, representando também a sua primeira obra pública. O projeto “Entre o Céu e a Terra” resultou numa composição de módulos cerâmicos triangulares, que, nas palavras da artista, “darão luz, cor e ritmo aos espelhos dos degraus, num degrade que, não só convida à ascensão, como suscita a curiosidade pela continuidade. As inclinações, cores e padrões diversos criam a ilusão de um outro espaço, quase de uma outra dimensão”, descreveu. Natural de Espinho, adotou Proença-a-Nova como sua terra e quis homenagear as gentes desta vila, “à terra que os alimenta e ao céu que sempre os fez sonhar e lutar. Essa terra que surge sob os nossos pés, em tons quentes, entre vermelhos, ocres e amarelos-laranja; e esse céu que se apresenta através de estruturas triangulares revestidas a fragmentos cerâmicos, de tons azuis, brancos e texturas várias, remetendo o nosso imaginário para as nuvens, as estrelas ou até mesmo as asas de um pássaro”, concluiu.

A jornada cultural teve um segundo momento junto ao mural do viaduto do Parque Urbano, de Sílvia Mathys e Cavalheiro Cardoso, onde se apresenta uma “janela para os elementos mais emblemáticos do território”, descreveu o casal de artistas, apresentando vários capítulos: começamos pela esteva, viajamos pelo olival, pelas montanhas, respiramos o ar dos eucaliptos, dos sobreiros e dos pinheiros. Por fim, temos a representação da energia eólica que também já caracteriza a paisagem do concelho. A inspiração é obviamente a natureza e embora cada um tenha a sua técnica individual, “este painel reflete uma forma de combinarmos os dois as nossas técnicas”, explica Cavalheiro Cardoso.

O Roteiro das Artes seguiu para o “Monumento à Cidadania”, um projeto de arte participativa resultante do projeto de Doutoramento em Escultura da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa da escultora Ana Mena, que apresentou uma abordagem da cidadania através da escultura, refletindo sobre os processos individuais e coletivos e sobre a vivência dos problemas sentidos por cada um e pela sociedade e no qual participaram alguns alunos da Universidade Sénior de Proença-a-Nova. Junto à nova escultura do Jardim do Parque Urbano houve lugar a dois momentos musicais, com a voz de Ana Paula Gonçalves e Henrique Carvalhinho, acompanhados na guitarra portuguesa por Custódio Castelo e a viola por Miguel Carvalhinho.

Este passeio terminou na Galeria Municipal com o lançamento de um catálogo “Aldeia Criativa”, que reúne os vários trabalhos decorrentes das diversas iniciativas artísticas dos alunos da FBAL realizados no concelho. O presidente da autarquia lembrou que o protocolo entre a autarquia de Proença-a-Nova e a FBAL começou em 2011 e o território conta já com várias intervenções, que “nos enriquece enquanto Município” e esta publicação permite-nos uma retrospetiva sobre esses trabalhos e a ponte para continuar e alargar a “Aldeia Criativa” a todo o território”.

O Roteiro das Artes aconteceu a 21 de outubro e reuniu muitos convidados, entre eles alunos da Faculdade de Belas-Artes que pretendem juntar-se às próximas residências artísticas que terão lugar dentro em breve em Proença-a-Nova. As fotografias desta jornada estão disponíveis na página de facebook do Município.

 

2017-10-24