Mensagem do Presidente
 

No dia 1 de outubro de 2017 os proencenses escolheram de forma clara e inequívoca qual o caminho que querem ver traçado até 2021 e as equipas que o irão construir, expressão de confiança no trabalho que temos desenvolvido nos últimos anos e que querem ver continuado, sempre renovado e inovado, tendo Proença-a-Nova obtido resultados claros de desenvolvimento económico, de divulgação interna e externa, promovendo políticas de ação para as pessoas.

Este mandato traz-nos vários desafios, alguns deles conhecidos como seja a luta constante para travarmos assimetrias e a desertificação do nosso espaço e que nos obriga a sermos atrativos do ponto de vista empresarial e a apoiar as nossas empresas e empresários, fator determinante para contrariar processos de abandono. Também o trabalho de articulação com o movimento associativo, nas mais diversas áreas, é fundamental para uma crescente consciencialização de cidadania e compromisso na definição de políticas direcionadas às pessoas com novas valências para os mais velhos.

Destaco ainda o programa de combate ao insucesso escolar, a valorização do património e da nossa etnografia, projetando a nossa matriz identitária, a cultura e as artes, os nossos recursos endógenos como base de evolução de uma nova fase de capacitação e oportunidades na agroindústria, agroalimentar e pecuária e o turismo de natureza enquanto palco maior dos nossos territórios, consolidando ofertas em rede dos passeios pedestres e da grande rota, do BTT, do paraquedismo e da escalada, vetores que continuaremos a desenvolver.

Não posso obviamente de deixar de referir a floresta, quando assistimos à maior devastação que temos memória, perigando a sustentabilidade territorial, e se é verdade que temos que exigir medidas de ação e uma estratégia de longo prazo, temos que, com verdadeira responsabilidade nacional, saber encontrar consensos para a implementação de novas e renovadas políticas. Torna-se imperativo ao Estado, aos diversos organismos públicos que têm responsabilidades diretas no ativo florestal e às autarquias conseguir devolver confiança e esperança para acreditarmos num novo renascer. Também aqui se coloca um desafio individual, pois também nós, os privados que são proprietários de 98% do território, somos chamados a contribuir para soluções de valorização do ativo florestal.

Neste ciclo que agora começamos, somos todos convocados a construir o tempo de amanhã, os proencenses que aqui residem, resistem e lutam por esta terra, mas também com os que se encontram na diáspora, importantes ativos que hoje, mais que nunca, são agentes que podem contribuir para o nosso desenvolvimento coletivo.

Têm o meu compromisso de todos os dias e em equipa trabalhar incessantemente na realização e concretização das propostas que foram sufragadas, na procura de novas soluções, traduzindo o diálogo com os nossos agentes e no trabalho em rede de cooperação com os outros Municípios, no quadro da nossa Comunidade Intermunicipal e da Pinhal Maior, com o objetivo de continuamente construirmos o futuro do nosso concelho para e com os Proencenses.

João Lobo, Presidente da Câmara de Proença-a-Nova