Pinhal Maior incentiva agricultores do concelho a produzir em modo biológico 

A agricultura biológica, assim como a produção animal biológica, é uma prática que ganha cada vez mais expressão no nosso país. Nesse sentido, a Pinhal Maior tem promovido nos cinco municípios que constituem esta associação – Proença-a-Nova, Oleiros, Sertã, Mação e Vila de rei – ações de divulgação do projeto “Bio Berço da Lusitânia”, que pretende reunir todos os produtores de agricultura biológica e acompanhá-los até à fase de escoamento dos produtos.

A primeira sessão aconteceu no dia 15 de fevereiro, na sede da União de Freguesias de Sobreira Formosa e Alvito da Beira e a segunda teve lugar no auditório Mariano Gago, no Centro Ciência Viva da Floresta, no dia 22 de fevereiro, e contou com a presença de Vítor Frade, da empresa Biofrade, que deu o seu testemunho enquanto produtor biológico, apresentou a empresa Biofrade, explicou os passos que devem ser dados enquanto agricultor certificado e esclareceu dúvidas aos presentes sobre produção e comercialização de produtos provenientes de agricultura biológica. O objetivo desta segunda sessão foi incentivar os produtores do concelho a iniciarem-se neste modo de produção. Para Vítor Frade “há um leque variado de produtos que se podem produzir em modo biológico. Não se vende mais porque não há oferta. Há cada vez mais procura e uma maior valorização do produto biológico”. E, consequência de uma maior procura por parte dos consumidores, são as grandes superfícies que estão sensíveis para comprar este tipo de produtos de modo a satisfazerem as necessidades dos seus clientes. 

A maior consciencialização dos consumidores por consumirem produtos isentos de químicos e pesticidas, nomeadamente pessoas que sofrem ou sofreram de alguma doença oncológica ou pais preocupados com a alimentação dos filhos recém-nascidos, mas sobretudo consumidores cada vez mais informados e conscientes quanto à necessidade de privilegiar alimentos biológicos levou a Pinhal Maior a determinar que “este é o momento oportuno para lançar o projeto “Bio Berço da Lusitânia”, afirmou Augusto Nogueira, coordenador da Pinhal Maior. No âmbito deste projeto, a Pinhal Maior ficará com a responsabilidade de comercializar os produtos, bem como a recolha da produção e embalamento até aos canais de escoamento, dando a oportunidade aos pequenos produtores que de outra forma não têm expressão suficiente para produzir em escala.

2018-02-28