Alunos de antropologia realizam trabalho de campo em Proença-a-Nova

Três alunos da licenciatura em Antropologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa vão estar em Proença-a-Nova entre os dias 15 e 29 de dezembro para desenvolver o trabalho “Usam-se laços, erguem-se casas - abordagem antropológica sobre os processos de comunitarismo como reconstrução em terrenos consumidos pelos incêndios do verão de 2017”. Realizado no âmbito da Unidade Curricular de Antropologia Portuguesa Contemporânea, da docente Paula Godinho, os alunos Bianca Almeida, Daniel Muralhas e Filipe Madeira propõem-se a “abordar o modo como os processos de ‘recomunitarização’ na reconstrução de edifícios e o restabelecimento dos campos agrícolas podem influenciar a reorganização da estrutura social, numa zona envelhecida e de laços sociais debilitados”.

É também objetivo dos promotores desta iniciativa “pôr o saber antropológico ao serviço das necessidades e desejos das vítimas dos incêndios, estabelecendo, assim, uma ponte entre estas mesmas vítimas e as várias entidades no terreno”. No final, pretendem dar resposta à questão: “Em que medida os processos de comunitarismo podem ser importantes e utilizados na reconstrução dos espaços comunitários, habitações e terrenos?”

2017-12-21